quinta-feira, 13 de maio de 2010

Fechando a porta?

O último post falei da saudade da minha mãe, que se estende a comida da minha avó, ao sorriso com meus amigos, a minha cama, a casa que em que morava sozinho, onde comia o que queria, na hora que queria, via TV até o amanhecer do dia...enfim, saudades de uma vida que ficou em 2009.
As mudanças vieram em 2010 com força total e só uma coisa não mudou: minha carência.
Acho até que piorou um pouco. Nesta cidade onde não conheço quase ninguém, ter alguém que queira me conhecer, participar da minha vida e estar do meu lado é algo que queria muito. Por um breve momento, pensei ter encontrado, mas a pessoa em questão alegou não ter paciência para muitas das coisas que eu falava, ou fazia. E optou por me isolar. Respeitei.
Algum tempo depois surgiu uma outra pessoa. E com esse confesso que tive momentos únicos e que estava gostando mesmo de tudo o que estava acontecendo entre nós. Muita conversa, muito papo, nos vimos, ficamos, aproveitamos... Achei que continuaria assim, pois o mesmo, uma pessoa que está se descobrindo ainda, cheio de medos, ainda se adaptando a sua orientação sexual, e principalmente, pensando em como adaptar-se a sua família e amigos com esta "nova"realidade, parecia seguro de tudo o que estava acontecendo entre nós, mesmo sempre pedindo que fôssemos com calma.
E seguimos com calma, no entanto, ele começou a ficar estranho. Continuávamos nos falando, todos os dias, o tempo inteiro, mas ele alegava uma tristeza da qual não sabia o motivo, que tirava a sua vontade de curtir com os amigos, de beber com aqueles que gosta...e passou a ficar mais em casa. As dificuldades com a família, a falta de emprego, e conseqüentemente de condições para que pudéssemos nos ver com mais freqüência e mais a vontade...
Acho que tudo isso fez com que ele pedisse que continuássemos apenas como amigos. Alegou confusão, estar um pouco perdido, precisando tomar decisões importantes em sua vida, e eu pelo visto fui a primeira decisão a ser tomada. Mas, com uma ressalva: "Se eu tiver certeza que é você que eu quero na minha vida, não se preocupe, porque eu irei te conquistar, irei correr atrás de você até o fim".
Doeu um pouco. Estava começando a acreditar que finalmente eu viveria uma história diferente das que já vivi. Ledo engano. Mas, apesar disso, reagi bem a este "fora". Na hora algumas lágrimas são inevitáveis, mas costumo dizer que após uma boa noite de sono, boa parte das coisas retornam ao seu devido lugar. E foi o que aconteceu.
Engraçado que neste mesmo dia em que um me deu um fora, o outro que simplesmente disse não ter paciência comigo, ressurgiu das cinzas. Sinceramente eu nem lembrava mais, fiz questão de colocar no passado, mas ele veio atrás, puxando papo via SMS, dei corda até me recordar de quem era. E claro, não perdi a oportunidade de questionar o porque dele estar vindo atrás de mim. Disse que era saudades de nossas conversas... Vai entender???
O fato é que agora eu não sei o que fazer. Acho que meu pobre coração já foi açoitado demais e está cheio de feridas, cicatrizes, e precisando de um tempo para se recuperar. Acho que é hora de encostar a porta. Ou talvez, fechar por um tempo.
Preciso prestar mais atenção em mim e no meu valor. Antes que qualquer outro faça isso. Então, é hora de curtir!
E para finalizar, uma música que tenho ouvido muito estes dias, apesar das críticas que fizeram a cantora, Christina Aguillera, por ter feito o clipe da música Not Myself Tonight cheio de referências a Lady Gaga e Madonna. Mas, como ela mesmo diz no clipe: Não sou eu mesma hoje à noite. Então, que ela seja quem quiser, Gaga, Madonna, Britney, etc, etc. O importante é que gostei da música. Achei dançante, achei sexy. E sim, acho que também não sou eu mesmo hoje a noite. rsrsrs.
Um grande abraço a todos! Obrigado pelas visitas e pelos comentários! E estarei passando no blog de cada um em breve.


5 comentários:

  1. Só uma coisa: fecha a porta, mas se, por acaso, alguém quiser dar uma olhadinha pelo buraco da fechadura, vc tem q convidar pra entrar e tomar uma xícara de café!
    Não pode ficar trancado aí [olha só quem é q tá te dando esse conselho! Q cara de pau!], e perder oportunidades de conhecer pessoas bacaninhas, né??

    Vc merece alguém super especial. E, esse alguém há de chegar!!


    Posso falar da música?? haha
    Acho a Christina talentosíssima, mas achei essa música meio ruim. Prontofalei! haha

    Bjo ^^

    ResponderExcluir
  2. http://dcosmo.blogspot.com/ - No qual os pensamentos frenéticos correm em busca das verdadeiras argumentações "cosmo a pé"

    ResponderExcluir
  3. Querido J.M:

    Olha já passei situações bem parecidas com estas que voce está vivenciando.Posso lhe dizer uma coisa valiosa? Quando acontecem coisas assim o melhor é a gente olhar para nós mesmos com mais carinho,amor e cautela.Procure cuidar de si mesmo, seja feliz,busque o melhor dentro de si.Nunca esqueça que você pode ser feliz se optar por isso.O amor chegará, tenha calma,Deus prepara algo bom para você.Enquanto isso, divirta-se você está numa mega cidade bacanérrima.Bjsss e saudades de ve-lo no Lua.

    ResponderExcluir
  4. J.M.

    Nessas horas de carência e sensação de abandono, por estar longe da família... pense no que te trouxe pra cá, no que te motivou. Persiga este objetivo e enfrente as barreiras, da cidade nova, rotina nova, pessoas novas... isso vai te engrandecer, te amadurecer e fazer entender melhor o porquê de algumas coisas.

    E principalmente... não dependa de cara nenhum para se sentir bem morando aqui. Lembre-se que para eatar bem com alguém, precisa estar bem contigo mesmo.

    Beijo grande!

    ResponderExcluir

Partilhe comigo deste devanneio...